Welcome to Rising Traceuse A global resource for parkour athletes
Welcome to Rising Traceuse A global resource for parkour athletes

Traceuse Voices - Rebeca Medeiros of Brazil


Parkour girls all over the world have plenty of wisdom and insight to share about the discipline and the parkour community as a whole. This interview series is meant to highlight some of these traceuses, allowing us to learn from each other's unique experiences. From some of the biggest names in the traceuse community to amazing parkour girls who keep a low profile, these women have a lot to say. Check back each month for all new Traceuse Voices interviews.

                                                                   

Name: Rebeca Medeiros
Country: Brazil
Age: 22
Years of Training: 4


How did you get started training parkour?

I was invited to the 3d jam of Pernambuco, Brazil, and when I arrived I felt like I was in a dream. I didn't want to leave that place anymore. I didn't want that dream to end, so that's where I began my training. I asked how to do movements and started trying them. I gained my first callus and my first whack on the shin. From that time on, I understood that it was not only a radical practice where you could go with everything and do the movements without thinking. From the moment you hurt yourself in your training, you become more cautious, and the repetitions and composure make us stronger and more fluent.

Can you tell us a little bit about yourself?

I am a CCTV operator. In summary, I work with the operation of security cameras that service an engineering company. I would like to work in an area that I enjoy, but at the moment I prefer to deepen my studies to be able to immerse myself in my area. Since I was a child, I’ve always been very artistic. I draw well, and I used to write books and illustrate them. Until today I have my favorites kept safe with me. I began a fashion design course, and I currently paint on canvas. I’m thinking of making a lot of them and selling them soon, but my true focus is theater. I have studied theater for 3 ½ years and intend to grow in this area, specializing in musicals. It is a dream I intend to fulfill.

Can you tell us about the parkour community where you live?

I currently train with a group called “Calangos Urbanos” (Urban Lizards). I’m not a part of the team, but me and a lot of other practitioners get together with them during training sessions to run courses and lines, do psychological training and finally train our individual movements. We are very free, but we value strengthening the body before doing big movements. Our training location is very forested. It is almost always humid, and this is one more motivation for us to strengthen ourselves and practice everything with caution. We are a large group, and whenever we need it, there is always someone willing to help. We are never alone.

Did you practice any other sport or physical discipline before parkour?

I was literally sedentary before I started practicing parkour. I began swimming when I was a kid and played on the female soccer team of my school. I was lost on the field, so I completed the team just because they needed the right number, but I was a bad player. After this, I didn't practice anything else.

What does a normal training session look like for you?

In my training sessions, I really try to work on flow. I like to be fast, agile. Lately, I have been making some small lines and repeating them constantly during the training sessions until I get tired, and in the end I do climb-ups. I still don't climb how I want. I have difficulty doing the climb-up, and I am always looking for a way to correct it, to find the right point. I know that I'm strong enough, but I'm just missing the technique, the explosiveness.

What motivates you to keep training?

There comes a time when parkour becomes so beloved and so necessary in our lives that I think of it like breathing. I need it to survive and without it, I'd die. Without it, I'm not happy enough. After I came to love parkour, I no longer want to lose it. I truly need it in my day-to-day life.

What are your goals for the future in relation to parkour?

I would like to perform parkour movements in my future shows. Recently, I performed a play and they asked me to do a monkey vault. I was very happy to do it. For me, it was useful in the scene, and for the evaluators, it was much needed in the presentation. I also intend to travel the world to find new training spots and parkour brothers to learn a little more from each one. I want my children to practice, if they wish, and as long as I am able to train, I will be training.

If you could see one big change in the worldwide parkour community, what would it be?

Unfortunately, in our midst there are some people who worry about showing off their movements more than about interior competition, and they end up harming their own lives. Those who don’t understand and see us don't respect us. We are criticized and seen as vandals, crazy or suicidal. I would just like that, for the good of everyone and for the good of our practice, people would avoid publishing parkour bail videos, that they would not purposefully destroy public places as well as humiliate the movement of those who work as hard as they can to become good. We know that parkour really prizes the collective union and growth, but not everyone wants to be united, only setting themselves apart in a small group and criticizing the rest.



Do you have a personal message for the female parkour community?

I believe in the power of every practitioner. I know there are moments when we stop moving. We observe someone else's movements and think, “Maybe I’ll never do this, I'm never going to move from where I am and blah blah blah.” But because parkour is a constant training, we should realize that it is an internal competition and that we are able to convince ourselves that we can indeed perform those movements. We are capable. We don't become different from anyone. We are of the human race, and our limits can be surpassed. I am not here for anyone. It's for me. I should not let them demean me or criticize my effort. What I really want is to not stay home being lazy and instead get all sweaty jumping from here to there.

Unfortunately, not all of us have unlimited time to train. Some have tiring jobs, school, a family to care for, and they find a way with all of the love that they have to go train. Even if it's just a little bit, they're there. You can admire as many people as you want in parkour. They inspire you. They influence you not to want to give up. But never say you are crap compared to them, and much less that your movement is crappy. This only weakens you more and makes you ridiculous, and no one will be inspired by you. If we are here, it's because we want to be inspired and to inspire, to plant seeds in the lives of people. Think about how there are millions of people, or at least one, that really needs you and believes in your potential. Don't prove them wrong. Be strong, be useful!

Contact:
Facebook: https://www.facebook.com/rebeca.medeiros.31
Youtube: https://www.youtube.com/user/thebecabm





[Portuguese]


Nome: Rebeca Medeiros
País: Brasil
Idade: 22 anos
Anos de prática: 4


Como você começou a treinar parkour?

Fui convidada a comparecer ao 3º encontro pernambucano e ao chegar lá me senti dentro de um sonho, não quis mais sair dali, não queria que o sonho acabasse então lá mesmo iniciei meus treinos, perguntei como se faziam os movimentos e já fui tentando, ganhei meu primeiro calo, minha primeira pancada na canela, e a partir dali percebi que não se tratava apenas de uma prática radical onde eu pudesse me jogar com tudo e sair mandando os movimentos sem pensar, a partir do momento que você se machuca os treinos se tornam mais prudentes e as repetições e a calma nos tornam mais fortes e mais fluentes.

Pode nos contar um pouquinho sobre você?

Eu sou operadora de CFTV, resumindo bem, trabalho na operação de câmeras de segurança prestando serviços a uma empresa de engenharia. Gostaria muito de trabalhar no ramo que eu gosto, mas no momento dou preferência a me aprofundar nos estudos pra poder meter a mão na massa na minha área. Desde criança sempre fui muito artista, desenho bem, gostava de escrever livros e ilustrá-los, até hoje tenho os meus preferidos bem guardados comigo. Cheguei a fazer um curso de desenho de moda e atualmente pinto telas. Penso em fazer várias e vendê-las em breve, mas o meu foco mesmo é o teatro. Estudo teatro há 3 anos e meio e pretendo crescer na área, me especializar em musicais quem sabe, é um sonho que eu pretendo cumprir.

Pode nos contar sobre a comunidade de parkour onde você mora?

Atualmente treino com um grupo chamado “calangos urbanos”. Não faço parte do grupo, mas eu e um grande número de praticantes nos juntamos com eles nos treinos e realizamos percursos, metas, treinamos o nosso psicológico, e por fim as movimentações individuais. Somos muito livres, mas prezamos o fortalecimento do corpo antes de realizarmos grandes movimentos. Nosso local de treino é muito arborizado quase sempre está úmido e isso é mais um motivo pra nos fortalecermos e praticar tudo com muita cautela. Somos um grande grupo e sempre que precisamos tem muitos dispostos a ajudar. Nunca estamos sozinhos.

Você praticava algum outro esporte ou disciplina physical antes de parkour?

Eu era literalmente sedentária antes da prática. Cheguei a praticar natação quando criança e a jogar no time de futebol feminino da escola. Eu era muito perdida no campo, só completava o time porque precisavam de número, mas como jogadora eu era péssima. Depois disso não pratiquei mais nada.

O que acontece durante um treino normal para você?

Nos meus treinos eu procuro muito trabalhar a parte da fluência, gosto de ser rápida, ágil, ultimamente tenho feito pequenos percursos e repito-os constantemente durante o treino até cansar e por fim o climb up, ainda não climbo como desejo, tenho muita dificuldade pra realizar um climb up e sempre estou buscando uma forma de acertar, de encontrar o meu ponto certo, força eu sei que tenho só me falta à técnica, a explosão.

O que motiva você a continuar treinar parkour?

Chega um momento que o parkour se torna tão amável e tão necessário na nossa vida que penso nele como uma respiração, preciso dele pra sobreviver senão eu morro, senão eu não sou suficientemente feliz. Depois que passei a amar não quero mais perde-lo, preciso muito dele no meu dia-a-dia.

O que são suas metas para o futuro em relação a parkour?

Gostaria de realizar movimentos de parkour nos meus futuros espetáculos. Recentemente apresentei uma peça teatral e me pediram pra fazer um monkey, fiquei muito feliz em fazê-lo, pra mim foi útil na cena e pros avaliadores foi muito preciso durante a apresentação. Pretendo também viajar o mundo todo atrás de novos picos e de irmãos na prática pra aprender um pouco mais com cada um. Quero que meus filhos pratiquem se assim quiserem e enquanto eu puder treinar estarei treinando.

Se você pudesse ver uma mudança na comunidade mundial de parkour, o que seria?

Infelizmente em nosso meio existem algumas pessoas que se preocupam com a exibição de seus movimentos mais que com a competição interior e acabam prejudicando a própria vida. Quem não entende e vê não nos respeita, somos criticados e vistos como vândalos, malucos, suicidas. Só gostaria que pelo bem de todos e pelo bom reconhecimento da nossa prática as pessoas evitassem publicar vídeos partoba, Não destruíssem o patrimônio público de forma proposital bem como humilhar a movimentação de quem se esforça o quanto pode pra ser bom, sabemos que o parkour preza muito a união e o crescimento coletivo, mas nem todo mundo quer se unir, apenas se privar em um pequeno grupo e sair criticando os demais.

Você tem uma mensagem personal para a comunidade de parkour feminino?

Acredito no esforço de qualquer praticante. Eu sei que há momentos em que paramos de nos movimentar, observamos a movimentação do outro e pensamos “Talvez eu nunca faça isso, eu nunca vou sair do lugar e blá, blá, blá”. Mas como o parkour é um treinamento constante, devemos ter consciência de que é uma competição interna e temos o poder de convencer a nós mesmos que queremos fazer sim aqueles movimentos, também podemos, somos capazes, não me torno diferente de ninguém, somos da raça humana e os meus limites podem ser superados. Não estou aqui por ninguém, é por mim, não devo permitir que me humilhem, que critiquem meu esforço, a minha vontade está em abrir mão de um dia na cama de pernas pro ar pra estar suando a camisa e pulando pra lá e pra cá.

Infelizmente nem todos tem um tempo ilimitado de treino, alguns tem trabalho cansativo, estudos, família pra cuidar e encontram um encaixe com todo o amor que possuem e vão treinar, mesmo que pouquinho, mas estão lá. Você pode admirar quantas pessoas quiser no parkour, elas te inspiram, te influenciam a não querer desistir, mas nunca diga que você é um merda perto delas e muito menos que a sua movimentação é uma droga, isso só lhe enfraquece mais e te torna ridículo, e ninguém vai se inspirar em você, se estamos aqui é porque queremos ser inspirados e inspirar, plantar a semente na vida das pessoas. Pense que existem milhões de pessoas ou até uma que precisa muito de você e acredita no seu potencial, não prove o contrário a elas. Seja forte, seja útil!

Contato:

Facebook: https://www.facebook.com/rebeca.medeiros.31
Youtube: https://www.youtube.com/user/thebecabm